Museu

O museu do Zoológico de Salvador foi criado em 1979 e desempenha um importante papel educativo. Ele atende a diferentes grupos: adultos, crianças, inclusive portadores de necessidades especiais (deficientes físicos, auditivos, mentais e visuais), que procuram o parque em busca de aprendizagem e também do desenvolvimento de atividades recreativas. Uma característica marcante é que no Parque Zoobotânico se aprende através do lúdico.

A participação de estudantes no museu propicia enriquecimento cognitivo, através da construção de conhecimentos relativos à fauna e à flora, os quais são utilizados nos estudos e para a conscientização da sociedade em geral. As ações educativas proporcionam aos alunos a aprendizagem através do contato direto com o objeto de estudo, minimizando o distanciamento homem/natureza e possibilitando a re-significação do ambiente no qual se insere.

A implantação do museu de taxidermia tem como finalidade construir o crescimento científico; resgatar espécimes descartados e buscar a reconstituição dos mesmos; promover a convergência e o diálogo multidisciplinares sobre a realidade da prática de visita aos museus e sobre regras e impedimentos sobre esta prática; contribuir para a produção de indicadores referentes ao impacto dos museus na sociedade e nas áreas de desenvolvimento econômico, social e humano; desenvolver ampliação de referências culturais comuns, com fortalecimento da inclusão cultural (democratização do acesso e discussão/apropriação da cultura); desenvolver a cultura e a ampliação dos fóruns de debate inter-setoriais e entre setores diversos sobre ciência, tecnologia e sociedade, e no sistema de educação formal (renovação de práticas pedagógicas, capacitação e formação docente e discente, parceria formal e não-formal).

O museu possui duas galerias com representações de todos os biomas do Brasil, além de informações sobre insetos, aves, mamíferos e répteis.